maio 12

Depois de assistente de voz, Amazon usa reconhecimento facial em seu 1º aparelho de tela grande

Chamado de Eco Show 15, produto funciona como uma televisão inteligente e marca nova fase de investimentos da companhia de Jeff Bezos

A americana Amazon faz sua primeira investida no segmento de telas grandes. A gigante do e-commerce anuncia nesta quarta (11) o lançamento do chamado Eco Show 15, aparelho de 15,6 polegadas que funciona como uma televisão inteligente.

O produto tem diversos canais de streaming, que podem ser acessados por meio deaplicativos, e conta com inédito sistema de reconhecimento facial.

Com o já conhecido sistema de voz integrado Alexa, a nova aposta da companhia tem um processador neural (chamado de AZ2) com inteligência artificial  que permite o reconhecimento facial.

Vai, assim, permitir comandos que antes eram acessados apenas por voz, como ler ou ouvir recados que só aparecerá quando a “Alexa” reconhecer a pessoa em frente ao dispositivo.

O processador neural foi otimizado para imagem e reconhece quem está na sua frente. O processamento é local, dentro do aparelho, e não vai para nuvem, pois a imagem vira um código.

Com esse reconhecimento facial, o aparelho pode ler recados enviados para essa pessoa em específico, entre outras funções – disse Jacques Benain, gerente geral de dispositivos na Amazon Brasil, destacando que os dados do usuário ficam protegidos por não serem enviados à nuvem. Com esse “ID visual”, é possível ainda ter um conteúdo personalizado, com acesso a eventos e lembretes do calendário pessoal, além de músicas tocadas recentemente.

Além da tradicional posição horizontal, o novo aparelho pode funcionar ainda no formato vertical. Para analistas, o lançamento representa um passo na direção do conceito de casa conectada, e promete acirrar a disputa com outros fabricantes do setor.

Com tela em resolução Full HD, o aparelho permite ainda outras funções além da TV, como fazer pesquisas na internet no navegador próprio (o Silk), ouvir música,  acionar objetos conectados dentro da casa e fazer ligações e videochamadas para outros usuários dentro do ecossistema da Amazon.

Inteligência preditiva Segundo Talita Talibert, diretora-geral de Alexa, o sistema de computação permite ainda que a inteligência do aparelho consiga criar memória sobre certos hábitos e sugerir opções baseadas na rotina de uso, como desligar lâmpadas ou o ar-condicionado em um determinado horário em que sempre são desligadas.

Ao destacar a função do novo aparelho, que  terá preço de R$ 1.890, a executiva diz que o usuário tem o controle total sobre suas informações. Talita lembra ainda que o usuário pode excluir sua “ID Visual” a qualquer momento. Ela destacou que o reconhecimento facial é opcional e requer consentimento explícito.

-É possível ir em configurações e escolher o que quer ou não dentro do hub de privacidade. Investimos para ter um sistema de inteligência pró-ativa e queremos continuar facilitando cada vez mais, mas a privacidade é importante. Por isso, todas as informações ficam no aparelho e não na nuvem – garante Talita.

A Amazon também vem aumentando a presença da Alexa  em eletrodomésticos e eletrônicos em geral: já são 650 aparelhos com a assistente de voz embarcadal.   A empresa reforça ainda o volume de aplicativos (chamados de skills) dentro de sua plataforma, que já conta com duas mil opções para o público brasileiro.

O especialista em segurança digital, Claudio Tavares, lembrou que cada vez mais os produtos que estão sendo lançados pedem acesso a um volume maior de informações pessoais. Ele lembra que a impressão digital, por exemplo, ficou para trás:-Estamos atravessando uma nova fase na área de tecnologia. Hoje, o reconhecimento facial é a nova fronteira de identificação. Por isso, estamos vendo diversos aparelhos e aplicativos investindo nessa solução que permite obter mais informações. Por isso, o usuário precisa pensar se quer usar esse tipo de validação ou não. A privacidade está ficando menos privada com o avanço da tecnologia – disse Tavares.

FONTE: https://www.folhape.com.br/economia/depois-das-assistentes-de-voz-amazon-usa-reconhecimento-facial-em-seu/226407/