mar 19

De olho na Olímpiada, Japão lança projeto para desenvolver assistentes robóticos

Que as Olímpiadas do Japão, marcadas para acontecer no ano que vem, devem ser as mais tecnológicas da história, todo mundo já sabe. Como exatamente isso vai acontecer, entretanto, foi o assunto de um anúncio feito neste final de semana pelo comitê organizador dos jogos que, junto a empresas como Panasonic e Toyota, lançaram uma iniciativa para fomentar o uso de assistentes robóticos em diversas áreas.

Um dos principais focos do Tokyo 2020 Project, como foi chamado, é o auxílio a pessoas com necessidades especiais. A Toyota, que é uma das participantes do projeto, apresentou dois robôs capazes de prestar assistência aos visitantes dos jogos, atuando, principalmente, no Estádio Olímpico, na capital, Tóquio.

O HSR (Robô de Suporte Humano, na sigla em inglês) é o primeiro deles, capaz de pegar itens no chão ou levar coisas até as pessoas, além de atuar como um guia para os visitantes, os levando dos portões até os assentos ou outros locais de interesse. Eles podem ser controlados a distância ou funcionar de maneira autônoma, com programações feitas pelos organizadores.

Já o DSR, ou Robô de Suporte a Entregas, na sigla em inglês, permitirá o funcionamento de uma das principais inovações das Olímpiadas do Japão, que vai permitir aos visitantes pedirem comida e bebida diretamente de seus assentos a partir de um aplicativo. A máquina tem uma cestinha e pode funcionar em conjunto com o HSR ou sozinho, indo e voltando pela arquibancada com os petiscos pedidos pelos espectadores.

Como se trata de um projeto piloto, é claro que ele não atenderá a totalidade dos jogos e nem mesmo a todo o público, ficando restritos a certos setores do Estádio Olímpico de Tóquio. De acordo com a iniciativa, serão 16 HSRs e 10 DSRs atuando durante os jogos, com poucas unidades, também, em outros locais de competição. O objetivo da Toyota é se tornar uma parceira dos cidadãos e criar robôs que os auxiliem nas tarefas da vida, em ideias que, mais tarde, possam estar também na casa das pessoas.

Exoesqueletos pouparão as costas do pessoal de apoio em hóteis e bastidores das competições (Imagem: Divulgação/Tokyo 2020 Project)

Já o foco da Panasonic recai sobre o pessoal de apoio que farão o espetáculo acontecer. Um dos motes de sua participação no projeto de robótica é um exoesqueleto que facilita a vida daqueles que levantam peso, com 20 unidades distribuídas entre os trabalhadores que auxiliam visitantes com as bagagens nos hotéis ou transportam suprimentos e equipamentos.

O Tokyo 2020 Project também inclui iniciativas de fomento a sistemas de segurança, que facilitarão e acelerarão a localização de suspeitos de contravenção e também a circulação dos atletas, imprensas e visitantes nos locais de jogos. Reconhecimento facial e tecnologias de inteligência artificial serão utilizadas para garantir a proteção de todos os envolvidos, em um projeto que deve escorrer para fora das Olímpiadas, por se tratar de um plano governamental para a segurança pública.

O mesmo vale para a mais ambiciosa das ideias e, também, a menos comentada de todas. Junto com a Toyota e outras companhias, o governo japonês pretende criar um serviço de transporte autônomo a tempo dos Jogos Olímpicos, mesmo que ele chegue lá operando de maneira limitada. A ideia inicial é trabalhar no traslado de atletas entre hotéis e locais de competição, fazendo o mesmo, também, com os visitantes que estiverem em locais mais afastados da cidade.

Tudo isso, segundo o governo, será feito com o uso de energias renováveis, o que inclui até mesmo o funcionamento dos veículos autônomos, todos elétricos. Outra ideias de sustentabilidade envolve as medalhas que serão entregues aos vencedores, todas feitas a partir de ouro, prata, bronze e outros materiais reciclados de lixo eletrônico, um processo que já vem acontecendo desde 2017 e que chegou à sua etapa final neste começo de ano, com o comitê de organização já tendo toda a matéria-prima necessária para fabricar os artigos tão cobiçados.

Os Jogos Olímpicos de 2020, no Japão, começam no dia 24 de julho de 2020, tendo Tóquio como cidade-sede. Além da capital, competições também acontecerão em cidades como Fukushima, Yokohama e Chofu, entre outras.

FONTE: CANALTECH