ago 03

Crise energética da Europa ameaça desacelerar a transição verde

A guerra na Ucrânia estimulou muitos países a se apoiarem mais nos combustíveis fósseis no curto prazo, enquanto se comprometem a se afastar deles mais rapidamente no futuro. Agora, uma crise energética cada vez mais profunda, uma onda de calor global, preços em alta, problemas na cadeia de suprimentos e preocupações com uma desaceleração econômica ameaçam atrasar também as promessas de longo prazo de transição para fontes de energia de baixa emissão.

A situação é particularmente aguda na Europa, onde a perspectiva de grave escassez de combustível neste inverno está concentrando a atenção dos líderes em problemas imediatos, dizem investidores e economistas. Os preços do gás natural no atacado na Europa subiram acentuadamente na semana passada, com a Rússia cortando fluxos através de um importante gasoduto para a região. Eles mais que dobraram este ano, sobrecarregando famílias e empresas e aumentando os temores de que uma recessão global esteja a caminho.

Em resposta, governos e empresas têm buscado soluções de fornecimento envolvendo mais combustíveis fósseis, não menos. Muitos estão fechando contratos de gás natural liquefeito dos EUA, Oriente Médio e África. Os defensores da energia verde dizem que a guerra na Ucrânia e os altos preços dos combustíveis podem ajudar a acelerar a transição do continente, forçando mudanças dolorosas do petróleo e do gás e mudando hábitos de consumo que, de outra forma, poderiam ter permanecido enraizados.

Mas muitos observadores do mercado dizem que os planos de energia verde da Europa estão ficando em segundo plano em relação aos esforços para combater os efeitos da guerra na Ucrânia, inflação mais alta e tensões pós-bloqueio nas cadeias de suprimentos. A gigante de energia francesa Schneider Electric SE diz que está enfrentando atrasos de até um ano em seus projetos de energia renovável em países como Espanha, Holanda e países nórdicos, em grande parte devido a problemas na cadeia de suprimentos e custos de transporte mais altos.

Os Estados europeus estão começando a implementar políticas para apoiar a implantação de energias renováveis, e alguns investimentos estão sendo seguidos. A Alemanha, por exemplo, aprovou no mês passado uma lei de energias renováveis que inclui metas mais altas de energia eólica e melhorias no licenciamento, de acordo com o grupo industrial WindEurope.

Mas muito mais dinheiro e ação são necessários para deixar de lado os combustíveis fósseis no ritmo necessário para manter as emissões – e o aquecimento global – sob controle. Essas medidas seriam difíceis de implementar, mesmo sem a recente turbulência econômica e energética, dizem os analistas.

FONTE: https://www.terra.com.br/economia/crise-energetica-da-europa-ameaca-desacelerar-a-transicao-verde,bf47befef21ebd874dad07b6feb8e8bcejs57ff2.html