fev 22

Coworking: tendência traz benefícios para empresas e clientes

Descola.org, ComparaOnline e House of Hagens investiram nos espaços compartilhados para aumentar a troca de conhecimento e o foco no serviço

A busca pelo aprendizado compartilhado fez nascer um novo modelo de espaço de trabalho, o coworking, ambientes onde empresas de diversos segmentos e portes se encontram, os profissionais conduzem seu trabalho diário e trocam ideias e experiências com os demais. De acordo com o Censo Coworking Brasil 2018, são 1194 espaços compartilhados no Brasil, um aumento de 48% com relação a 2017. Para a pesquisa foram analisados municípios com mais de 150 mil habitantes.

Estes novos espaços respiram transformação, inspiração, inovação e agilidade. O coworking traz o contato com mundos diferentes, tornando, inclusive, o ambiente mais descontraído e leve para o trabalho, o que traz impactos positivos para a carreira. Além disso, há a ampliação da rede de contatos e de conhecimento.

Seguindo essa tendência, a Descola.org, especializada em educação online com cursos livres voltados para inovação e empreendedorismo, mudou-se em 2018 para o Cubo, maior centro de empreendedorismo tecnológico da América Latina. “Decidimos criar uma maior conexão com o ecossistema, permitindo troca com outros empreendedores e o fomento à inovação. Trabalhar em coworking é um ponto de conexão enorme para criarmos novas oportunidades e estimularmos todo o time. As informações chegam mais rápido, interagimos com outras pessoas a todo momento e podemos aumentar o repertório profissional, desta maneira podemos entender as tendências, definir quais as necessidades do mercado e aplicar isso nos novos cursos”, conta André Tanesi, CEO da Descola.org.

Outro benefício da utilização do coworking é a possibilidade de focar no trabalho, no serviço prestado, sem a necessidade de se preocupar com a manutenção do espaço, por exemplo. A ComparaOnline, marketplace de seguros e produtos financeiros, mudou para um espaço compartilhado, no final de 2018, após decidirem melhorar uma sala de reuniões e se desgastarem com o processo de pesquisa, compra, atraso na entrega e montagem, além da dor de cabeça com produtos quebrados.

“Algo simples de ser resolvido consumiu energia e tempo. Manutenção e decoração não é nossa principal habilidade e é frustrante quando o resultado final não sai como esperado. Outra questão foi entender os nossos espaços, por que precisamos de áreas como cozinha e salas de reuniões que serão usadas apenas 30% do tempo? O conceito de compartilhamento de áreas comuns otimiza a gestão de espaço e promove a concentração de nossas competências no que realmente gera resultado para o negócio”, explica Paulo Marchetti, CEO da ComparaOnline no Brasil. Para ele, o coworking combina com a premissa do negócio, um mundo aberto de informações aos consumidores e nada melhor do que viver em comunidade para entender o papel social.

Alguns segmentos vivem uma constante transformação, como é o caso do mercado de marketing, contemplado pela House of Hagens, agência de marketing onlife. Diante desse cenário, estar em um coworking ajuda a fomentar discussões e facilitar esse momento de transição do setor que resultou no crescimento da empresa. “A Hagens optou pelo modelo de coworking para o escritório de São Paulo pela facilidade de adaptação a fase de rápido crescimento da agência e também pela qualidade da infraestrutura”, finaliza Clauber Scarparo, CEO da House of Hagens, agência de marketing onlife.

FONTE: SEGS