jan 26

Conheça o HuggieBot, o robô projetado para abraçar

Há dias em que tudo o que nós precisamos é de um bom abraço, não? Abraçar o filho, os pais, o parceiro ou a parceira, um grande amigo, um colega. Às vezes, nem importa tanto de quem é o abraço: o importante mesmo é a sensação de conforto que ele causa. Pensando exatamente nisso, cientistas criaram o HuggieBot: o robô feito para abraçar.

Uma aparência estranha, mas com um abraço confortável e aconchegante. Imagem: HuggieBot

Estudos já atestaram os benefícios causados pelo abraço, especialmente no aspecto terapêutico do gesto. Essa é a ideia por trás do HuggieBot, o robô humanoide desenvolvido por Katherine J. Kuchenbecker e sua equipe do Instituto Max Planck de Sistemas Inteligentes em Stuttgart, na Alemanha.

Robô que abraça pode assumir função de acompanhante de idosos

No contexto de robôs humanoides terapêuticos, especialmente relacionados a cuidados com idosos, os abraços são bem simples de se replicar em máquinas em comparação com outros movimentos complexos, como dar banho em alguém ou colocá-lo na cama.

Kuchenbecker revelou que o HuggieBot tem sensores em seus braços para garantir que ele dê um abraço amigável e confortável e não um aperto que ofereça risco. Outro sensor nas costas do robô detecta o humano devolvendo o abraço. Quando alguém levanta os braços ou se inclina contra os braços do robô, ele entende como um abraço – e corresponde.

A equipe sabia que as principais características do robô deveria ser a maciez, uma temperatura agradável e o tamanho próximo ao de um ser humano. Além de saber a hora certa de dar o abraço, ele pode se ajustar à altura e postura de uma pessoa da maneira que um humano faria.

Vestindo confortavelmente um capuz cinza e uma saia roxa longa, o robô tem um rosto achatado com uma expressão agradável. A parte superior do corpo de HuggieBot é inflada e aquecida para tornar mais agradável o abraço.

Para tornar os abraços de HuggieBot ainda mais confortáveis e aconchegantes, os cientistas enrolaram os braços robóticos em espuma e colocaram meias nas mãos do robô.

 Abraços têm relação com o calor físico e o emocional, e embora seja mais difícil estabelecer um vínculo emocional com um robô, definitivamente, não é algo inédito. Pense em crianças com seus animais de pelúcia e cobertores de segurança. Ou no náufrago Tom Hanks e Wilson, seu melhor amigo bola de vôlei.

Usuário pode calcular a intensidade do abraço que pretende ganhar

Todos conhecemos alguém que abraça muito forte ou muito longo, ou muitas vezes, ao contrário, dão aquele abraço “mixuruca”, bem sem vontade. E se você pudesse treinar um robô para abraçá-lo exatamente como você quer ser abraçado?

Se essa história de robôs abraçadores se tornar real, há muito mais coisas a considerar que tornariam os abraços robóticos ainda mais agradáveis e humanos. Como se você estivesse chorando, e o robô pudesse lhe dar alguns tapinhas nas costas ao comprimir seu corpo no dele, oferecendo um conforto extra – a parte mais difícil pode ser fazer com que as pessoas aceitem a ideia e se entreguem aos braços de uma máquina.

No Japão, os robôs já estão desempenhando seu trabalho no cuidado dos idosos. Um asilo em Tóquio tem 20 robôs diferentes distribuindo abraços aos residentes. Muitos deles são projetados para jogar jogos e estabelecer conversas com os pacientes, além de liderá-los em rotinas de exercícios.

FONTE: https://olhardigital.com.br/2022/01/24/ciencia-e-espaco/conheca-o-huggiebot-o-robo-projetado-para-abracar/