set 25

Como a startup Delfos está usando inteligência artificial no setor de óleo e gás

A empresa, criada pelos empreendedores Guilherme Studart e Samuel Lima, foi uma das selecionadas para a fase de pilotos do programa de inovação da Ocyan

Criada em 2017 pelos empreendedores Guilherme Studart e Samuel Lima, a startup Delfos começou com uma solução de inteligência artificial para fazer análises e reduzir incertezas operacionais na indústria de energia. “Usamos dados de fontes já existentes e tratamos essas informações aplicando técnicas para detectar padrões de falha ou outros alertas”, explica Studart.

Desde 2018, a empresa vem expandindo a tecnologia para outras verticais — chegando agora na indústria de óleo e gás. Neste ano, a Delfos foi selecionada para a fase de pilotos do Ocyan Waves Challenge, programa de conexão com startups da Ocyan. A companhia, uma das maiores do setor, lançou a iniciativa em busca de soluções inovadoras para oito desafios internos.

Nesta última etapa do programa, a tecnologia da Delfos está sendo testada para otimizar o funcionamento do BOP (Blowout Preventer), equipamento usado para prevenir acidentes de grandes proporções causados pelo fluxo incontrolável de um poço. “O BOP já tem um sistema embarcado, com vários dados e sensores. Porém, a dificuldade está em tirar insights desse grande volume de informações”, explica Studart.

Hoje, a startup está trabalhando com dados reais da companhia. “Realizamos reuniões com a equipe de operações do BOP para ajustar a tecnologia, que já começou a dar resultados”, conta Guilherme. Segundo o empreendedor, rodar um piloto no Ocyan Waves Challenge tem ajudado a startup a estreitar o relacionamento com uma grande empresa e expandir o negócio, aprimorando a solução para novos mercados.

Próximos passos

O engenheiro subsea Fabbio Leite, acompanhou de perto a trajetória da Delfos durante todo o programa. Segundo ele, os testes realizados com a startup já trouxeram resultados para a companhia. “Antes, só consultávamos as medições e dados em momentos de dúvida ou em algum problema. Com a ajuda do algoritmo da Delfos, conseguimos aproveitar melhor essas informações”, ressalta.

Segundo Leite, a solução poderá ser usada para diminuir os custos de manutenção do equipamento, prevendo possíveis falhas. “O projeto tem evoluído e atendido nossas expectativas. Esperamos estendê-lo, melhorando a qualidade dos nossos dados”, explica o engenheiro.

Nas próximas semanas, o piloto da Delfos e de outras sete startups — TrueWork, Sapiensia, Checklist Fácil, SocialBase, Smarti, Confirm8 e Rio Analytics — serão avaliados pela Ocyan. A depender dos resultados, as startups poderão ser contratadas e seus projetos escalados para outras áreas da empresa.

FONTE: STARTSE