jan 28

Como o SoftBank está usando suas startups para reerguer o WeWork

O WeWork fechou acordo para administrar escritório da brasileira Gympass em Nova York; empresas como QuintoAndar e Uber também fizeram parcerias que podem ajudar a reerguer startup de escritórios compartilhados

A empresa de escritórios compartilhados WeWork assinou um acordo para oferecer espaço para 250 funcionários da startup de academias Gympass, em Nova York. A parceria é um exemplo de que o SoftBank, que investe tanto no WeWork quanto na Gympass, está usando suas conexões para impulsionar seus negócios, disseram pessoas familiarizadas com o assunto neste domingo, 27.

Embora não tenha controle absoluto sobre essas parcerias, o grupo japonês incentiva as empresas de seu portfólio a colaborar com a companhia de escritórios compartilhados, disse uma das fontes. Cerca de 25 mil funcionários de empresas apoiadas pelo SoftBank, incluindo o aplicativo de transportes Uber, e a startup de aluguéis QuintoAndar e o mercado imobiliário online Compass, estão nos escritórios do WeWork.

Cerca de 250 funcionários da Gympass utilização escritórios da WeWork em Nova York 

Cerca de 250 funcionários da Gympass utilização escritórios da WeWork em Nova York

O SoftBank espera que a rede de empresas de seu portfólio ajude na recuperação do WeWork – no ano passado, o grupo japonês tentou salvar o WeWork de uma crise maior ao adquirir o controle majoritário da empresa. Isso se seguiu a uma tentativa fracassada do WeWork de lançar uma oferta pública inicial de ações em setembro.

No ano passado, apenas no terceiro trimestre, a controladora do WeWork, We Company, viu suas perdas líquidas mais que dobrarem para US$ 1,25 bilhão ano após ano. O WeWork tem cerca de 650 mil assinantes em todo o mundo e espera atingir 1 milhão no início de 2021, disse uma das fontes.

A empresa firmou um contrato de três anos com a Gympass, que foi fundada no Brasil, mas agora está sediada em Nova York, para escritórios na área do SoHo, em Manhattan, potencialmente triplicando a presença da Gympass na cidade, segundo as fontes, que não divulgaram o valor do contrato e pediram anonimato porque a transação é privada.

A Gympass, que anteriormente não era cliente do WeWork, é um mercado para clientes corporativos. A empresa oferece acesso a academias aos funcionários por meio de uma rede de mais de 50 mil academias e estúdios em todo o mundo.

A empresa foi avaliada pela última vez, em 2019, em US$ 1 bilhão, em uma captação de recursos de US$ 300 milhões liderada pelo SoftBank, de acordo com o provedor de dados PitchBook.

Após assumir o controle do WeWork, o SoftBank instalou seu diretor de operações, Marcelo Claure, como presidente executivo. O co-fundador e ex presidente executivo do WeWork, Adam Neumann, concordou em deixar a empresa em outubro, depois de garantir um pacote de saída do SoftBank no valor de até US$ 1,7 bilhão.

Neumann procurou ramificar o conceito do WeWork para áreas como educação e fez uma enxurrada de aquisições, muitas das quais a empresa agora está tentando alienar.

FONTE: O ESTADÃO