jan 18

Cadillac será marca principal da GM para veículos elétricos na disputa com Tesla, dizem fontes

WASHINGTON (Reuters) – A Cadillac deve tornar-se a principal marca de veículos elétricos da General Motors, enquanto a maior montadora dos Estados Unidos se empenha para introduzir um novo modelo sob a marca de luxo para desafiar a Tesla, disseram duas pessoas com conhecimento do assunto nesta quinta-feira.

A GM deve fazer o anúncio nesta sexta-feira, como parte de um comunicado de que um Cadillac será o primeiro veículo com base na futura plataforma “BEV3”, acrescentaram as fontes.

A plataforma serve de base para os veículos, incluindo sistema de bateria e outras partes mecânicas e estruturais.

A GM não deve divulgar detalhes nesta sexta-feira, nem quando o Cadillac EV será montado nem se o veículos será um crossover ou sedã, de acordo com as fontes.

Um porta-voz da GM se recusou a comentar o assunto.

A GM antes se concentrava em veículos elétricos sob a marca Chevrolet, incluindo o Chevrolet Volt e o Bolt. No ano passado, a montadora norte-americana anunciou o encerramento da produção do Volt e também do modelo pouco vendido Cadillac CT6, mas que ampliaria os gastos em veículos elétricos.

Em novembro, a GM disse que, como parte dos esforços para reestruturação do negócio, dobraria os programas de veículos elétricos e autônomos nos próximos dois anos. No mês passado, dois senadores de Ohio pediram que a GM se comprometesse a montar todos os veículos elétricos futuros para compradores norte-americanos dentro do país.

Em 2017, a companhia disse que planejava introduzir até 2021 uma nova arquitetura dedicada a veículos elétricos flexíveis e um sistema avançado de bateria para apoiar o desenvolvimento de pelo menos 20 novos modelos nos Estados Unidos e na China.

Na ocasião a GM disse que uma nova plataforma para carros elétricos em 2021 serviria de base para pelo menos nove derivados, desde um crossover compacto a um utilitário esportivo de luxo para sete passageiros e uma grande van comercial.

Johan de Nysschen, então presidente da Cadillac, disse à Reuters no Salão do Automóvel em Detroit que a marca de luxo desempenharia um “papel central” na estratégica de eletrificação da GM, incluindo a China.

Ele acrescentou que a Cadillac estaria “na vanguarda” do lançamento de novos veículos elétricos nos Estados Unidos e na China. O executivo deixou a GM em abril.

FONTE: UOL