out 07

A Buser está barateando o ônibus; Softbank e Globo acabam de embarcar

A Buser — plataforma que permite grupos fretarem um ônibus e está incomodando as grandes empresas do setor — acaba de receber um aporte do Softbank e do Grupo Globo.

Entre os recursos da rodada e a geração de caixa própria, a companhia disse que vai investir R$ 300 milhões ao longo dos próximos 12 meses, tornando seu serviço mais conhecido pela população, aumentando as funcionalidades de seu serviço e expandindo sua rede de parceiros.

Fundada há apenas dois anos, a Buser (pronúncia: búzer) é uma espécie de compra coletiva de um ônibus alugado. Através do app ou do site, os usuários fretam um ônibus para fazer uma determinada viagem e racham o custo. Do lado da oferta geralmente estão pequenas empresas familiares, donas de ônibus e que já trabalham para o setor de turismo.

Quando chega a uma nova cidade, a Buser mapeia as empresas que podem fornecer o serviço, tenta entender as rotas e destinos mais comerciais e tem que pensar toda a logística da viagem — por exemplo, os pontos de embarque e a garagem onde o ônibus vai dormir no destino final. A companhia só trabalha com ônibus-leito novos.

O dono do ônibus fecha com a Buser o preço de uma viagem. O usuário entra no app e reserva aquele trecho, a Buser diz o valor máximo que ele irá pagar pela viagem e cobra o seu cartão de crédito. Mais tarde, se mais usuários reservam a mesma viagem e a ocupação do ônibus aumenta, o valor cobrado do usuário cai, e a Buser devolve parte do valor pago no cartão.

O usuário só sabe o valor final que pagou ao término da viagem. A Buser estima que o rateio médio cobrado por ela é 50% abaixo da passagem cobrada pelas empresas tradicionais. Quando abre uma nova cidade, a Buser chega a subsidiar a passagem para incentivar a criação do mercado local. Com o tempo, o subsídio se mostra desnecessário, mas a precificação permanece dinâmica: se um ônibus tem capacidade para 40 pessoas mas uma dada viagem atrai apenas 10 passageiros, a startup abre mão de sua comissão para não ter que cobrar acima do preço máximo.

Fundada pelos amigos Marcelo Abritta (CEO) e Marcelo Vasconcellos (COO), a Buser teve que enfrentar contínuas brigas judiciais em que as grandes empresas de ônibus, agindo por meio de suas associações de classe, tentam impedir a startup de funcionar.

A primeira viagem da Buser — um trecho Belo Horizonte-Ipatinga, em julho de 2017 — foi abortada na rodoviária por uma liminar. (Os fundadores tiveram que comprar passagens nas companhias tradicionais para alocar quem havia comprado passagens na Buser).

Quando viram que vencer na Justiça era vida ou morte para a companhia, os fundadores buscaram capital semente junto ao fundo Canary para contratar advogados em novembro de 2017. Na época, o Uber também lutava para ser aceito pela Justiça brasileira.

Os busers obtiveram um parecer do jurista Carlos Ari Sundfeld estabelecendo o que podiam ou não fazer: a empresa não poderia oferecer o serviço, apenas criar a plataforma para que os próprios usuários montem seus grupos; além disso, teria que respeitar as mesmas regras de segurança aplicáveis ao fretamento tradicional. Em seguida, contrataram o Perlman Vidigal Godoy Advogados para brigar na Justiça e reverter a decisão.

A segunda viagem da Buser finalmente aconteceu em março de 2018.

Em novembro daquele ano, a empresa fez uma rodada Series A com Valor Capital e Monashees. Ambas já tinham experiência com o transporte de carga e de passageiros: a Valor era investidora da CargoX, e a Monashees, da 99.

Nestes dois anos de operação, a Buser já transportou 250 mil pessoas para 50 cidades, mas a curva de crescimento se exponencializou este ano, quando o faturamento da empresa multiplicou por 15 em relação ao ano passado. Neste momento, a Buser está transportando 1.700 pessoas a cada dia útil e 3.000 nos fins de semana. “Existe uma grande demanda reprimida por um serviço de qualidade ao mesmo preço ou por um preço menor,” disse Paulo Passoni, managing investment partner do Softbank.

“O que aprendemos no caso do Uber e de outros serviços de compartilhamento é que, quando você oferece um serviço de qualidade a um preço justo, o mercado se expande; mais pessoas começam a usar o serviço.” O playbook da Buser é similar ao da FlixBus, uma startup que começou na Alemanha e na França há cerca de sete anos e hoje domina o mercado rodoviário na Europa.

“Não há motivo para isso não acontecer também no Brasil, e olha que aqueles países adoram uma regulação.” Assim como a Buser, a Flixbus não possui nenhum ônibus e não emprega motoristas; seus serviços são executados em cooperação com as empresas regionais de ônibus.

As rotas mais densas da Buser hoje são Belo Horizonte-São Paulo, Rio-São Paulo e São Paulo-Curitiba, o que coloca a empresa em confronto direto com o establishment do setor: o Grupo Guanabara, de Jacob Barata; a holding JCA, que controla a 1001, Viação Cometa, Expresso do Sul e Rápido Ribeirão; e o Grupo Comporte, da família Constantino, controladora da Gol.

O mercado de viagens de ônibus intermunicipais é de R$ 15 bilhões a R$ 25 bilhões/ano (o último número inclui as rotas dentro de regiões metropolitanas). A nova rodada foi acompanhada pelos investidores originais — Canary, Valor e Monashees. Dentre os investimentos em tecnologia, a Buser vai testar reconhecimento facial no check-in de seus ônibus e integrar seu serviço com aplicativos como Uber e 99, estendendo a experiência do usuário até chegar em casa.

A disrupção da venda de passagens já foi tentada antes, mas com resultados diferentes. A ClickBus — um site de comparação de preços e reservas para rotas de longa distância — foi fundada em 2013 e investida pela Rocket Internet. Ao contrário da Buser, a ClickBus coloca as rotas oferecidas pelas grandes empresas na prateleira e cobra um percentual em cima da passagem. Há três anos, a ClickBus se fundiu com a J3, a plataforma de venda de passagens dos grupos Guanabara e JCA, que agora controlam a empresa.

Hoje, enquanto cerca de 80% das passagens aéreas no Brasil são vendidas online, menos de 10% das passagens de ônibus são vendidas pela internet, seja no site das próprias viações ou por empresas como Clickbus, Guichê Virtual e DeÔnibus.

FONTE: BRAZIL JOURNAL