ago 22

Biometria cardíaca: tecnologia reconhece pessoas pela batida do coração

Soluções focadas em autenticação, saúde ou segurança identificam indivíduos a partir dos batimentos cardíacos; monitoramento pode ser realizado através de pulseiras, lasers e outros.

Para muita gente, usar a impressão digital para desbloquear o celular ainda é novidade. Este tipo de biometria, inclusive, está sendo implementada para garantir a autenticidade nas próximas eleições nacionais. No entanto, avanços científicos focam outras formas de identificação, como é o caso da tendência do reconhecimento facial – muito comum na China, por exemplo – e a ainda pouco usada biometria cardíaca. Afinal, as características dos batimentos do coração de cada pessoa são únicas.

As aplicações da biometria cardíaca são diversas. Hoje, quem desenvolve tecnologias neste sentido foca em segurança, autenticação em dispositivos e saúde, principalmente. Em reportagem publicada pelo UOL, foram apresentadas diversas soluções criadas no mundo com o acompanhamento dos batimentos cardíacos. Veja algumas delas abaixo:

Jetson: o laser do Pentágono

O Pentágono, Departamento de Defesa dos EUA, desenvolveu um protótipo de laser que detecta vibrações na pele causadas pelos batimentos cardíacos. Chamada de Jetson, a tecnologia tem um alcance de 200 metros.

Após identificar as singularidades da vibração da pele, o Jetson compara os dados obtidos com uma base de dados, com uma assertividade de 95%. Portanto, a biometria cardíaca requer um cadastro prévio dos batimentos das pessoas. Outra barreira para a solução é que camadas de roupa muito grossas dificultam o funcionamento do laser.

Pela própria finalidade do Pentágono, o Jetson está em desenvolvimento com foco em segurança e uso militar. Mesmo que, na maioria dos casos, não seja possível ter um cadastro cardíaco do inimigo, a tecnologia permite saber que a pessoa identificada não faz parte do exército americano, por exemplo. Ainda não há previsão, por enquanto, de quando o Jetson será colocado em uso.

Pulseira de acesso

A empresa canadense Bionym desenvolveu um produto que utiliza a biometria cardíaca para autenticação. A pulseira Nymi identifica o batimento do usuário e o utiliza para desbloqueio de dispositivos e acesso a estabelecimentos controlados.

Hoje, a Bionym foca a solução principalmente no mercado B2B. No caso, uma empresa compra as pulseiras para seus funcionários, como se fosse um cartão de acesso. Porém, o Nymi traz muito mais segurança, porque o torna de fato intrasferível: apenas quem tem o batimento cardíaco exato pode ativar a pulseira Nymi. Além disso, ela permite desbloquear dispositivos sensíveis, como equipamentos médicos que somente pessoal autorizado pode usar, por exemplo.

Detecção de invasores

A ENSCO é uma empresa de tecnologia norte-americana que desenvolve soluções para segurança. Uma delas é o MicroSearch: um conjunto de sensores que identifica vibrações causadas pelos batimentos cardíacos de indivíduos em uma determinada área e percebe se há algum invasor no local.

Hoje, a tecnologia é focada na segurança e inspeção de veículos e containers, substituindo, por exemplo, uma verificação por raio X. Quando um intruso estiver escondido, não importa o quão silencioso, o MicroSearch será capaz de identificá-lo e avisar os responsáveis através de um software.

FONTE: STARTSE