ago 01

Biodigestor transforma material orgânico em biogás e fertilizante

O biodigestor, fabricado com tecnologia israelense, produz biogás e biofertilizante, sendo uma alternativa sustentável para processar resíduos orgânicos

Cada brasileiro produz, em média, 379,2 kg de lixo por ano, o que corresponde a mais de 1 kg por dia, de acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe). Sem coleta seletiva e programas eficientes de reciclagem, esses materiais sobrecarregam aterros sanitários, podendo causar diversos problemas, como infiltrações no solo, contaminação de lençóis freáticos, acúmulo de parasitas, entre outros.

Claro que nem todo resíduo é orgânico – boa parte desse lixo é composta por materiais que podem ser reciclados pela indústria de transformação, como plásticos, papéis, vidros e latas, entre outros. Mesmo assim, os resíduos orgânicos representam uma grande quantidade de lixo, capaz de trazer inúmeros problemas ao meio ambiente e à saúde pública. Isso sem contar o seu potencial de geração energética.

Por isso, iniciativas que possam transformá-los em energia são muito bem-vindas. Em pequenas comunidades, uma solução que vem sendo usada com sucesso é o uso de um biodigestor, com tecnologia israelense, capaz de transformar os dejetos em biogás e biofertilizante.

Biodigestor é utilizado pela Fundação ENGIE

O biodigestor aproveita restos de alimentos, cascas de vegetais e até dejetos de animais para produzir biogás e biofertilizante. O processo acontece por meio da água e bactérias anaeróbias presentes nos próprios dejetos e o biogás fica abrigado em um compartimento específico, até a sua utilização. O sistema é capaz de transformar cada quilo de lixo orgânico em um litro de biofertilizante líquido, que pode ser utilizado para fortalecer o solo e ajudar em plantações.

Em junho, o cônsul-geral de Israel em São Paulo, Rafael Erdreich, anunciou a doação de um biodigestor para a Escola Municipal de Educação Básica (EMEB) Professor Cleto da Silva, na cidade de Tubarão (SC). O equipamento é produzido pela HomeBiogas, empresa de biogás com sede em Beit Yanai, Israel.

“Em São Paulo fizemos uma ação semelhante em uma escola chamada Lar da Criança, que tem cerca de 500 estudantes”, ressaltou Erdreich.

Na ocasião, o cônsul participou de um encontro com a Associação Empresarial de Tubarão (Acit), Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), instituições de ensino e empresários, durante a qual foram apresentadas intenções comerciais e de parceria das empresas da região.

Vale destacar que a Fundação ENGIE tem um programa de doação de biodigestores para algumas comunidades consideradas vulneráveis, como é o exemplo do colégio estadual do Campo do Lageado Bonito, em Quedas do Iguaçu (PR). A Fundação aportou recursos para a aquisição de biodigestores no Brasil e a iniciativa resulta de projetos inspirados nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU).

FONTE: https://www.alemdaenergia.engie.com.br/biodigestor-transforma-material-organico-em-biogas-e-fertilizante/