jul 08

Barcelona testa IA em metrôs para impedir propagação do coronavírus

Sistema de ventilação inteligente que será usado a partir deste mês pode maximizar o ar fresco, além de regular a temperatura e a umidade do local em tempo real

A inteligência artificial (IA) é a nova aliada de Barcelona para impedir a propagação do novo coronavírus na região. Um sistema de ventilação inteligente está sendo testado pela Transportes Metropolitanos de Barcelona (TMB) na rede de metrô da cidade para maximizar o ar fresco, além de regular a temperatura e a umidade do local em tempo real.

Denominada Respira, a plataforma criada pela Sener Engineering usa um algoritmo que combina esses dados com informações como previsão do tempo e níveis de ocupação do metrô esperados. Desta forma, a tecnologia prevê as condições ambientais nas estações e, assim, programa a operação de cada ventilador para regular a temperatura e o consumo de energia.

Segundo a TMB, o controle inteligente da ventilação também vai liberar a quantidade máxima de ar fresco para dentro, o que aumentará a higiene e “reduzirá o risco de proliferação do coronavírus e vários microorganismos, de acordo com as diretrizes das autoridades de saúde”.

IA será usada para impedir a propagação do novo coronavírus em Barcelona. Foto: iStock

Para o diretor da rede de metrô de Barcelona, Ramon Bacardí, “este é um bom exemplo da aplicação de tecnologias em benefício de melhorar a qualidade do serviço e com um efeito direto na experiência de viagem do cliente”.

Os testes do Respira começam ainda este mês em cinco linhas do metrô espanhol, que transportam 94% dos passageiros. O desempenho do sistema será estudado pelo Ministério da Ciência e Inovação e, se for bem-sucedido, poderá ser expandido para outros locais da Espanha.

Inteligência artificial na pandemia

A inteligência artificial tem sido usada por diversos países durante a pandemia do novo coronavírus, seja para apoiar pesquisas ou na criação de soluções tecnológicas para ajudar no combate da disseminação da doença.

Antes mesmo da Organização Mundial da Saúde (OMS) emitir oficialmente um alerta sobre o surgimento do Sars-Cov-2, a tecnologia utilizada pela canadense BlueDot identificou o novo vírus em Wuhan, na China.

Outro exemplo que pode ser citado é nos Estados Unidos, onde a IA está sendo usada para analisar um conjunto de 29 mil artigos acadêmicos sobre o vírus que podem fornecer insights sobre como gerenciar a pandemia.

FONTE: https://olhardigital.com.br/coronavirus/noticia/barcelona-testa-ia-em-metros-para-impedir-propagacao-do-coronavirus/103157