nov 09

Banco Fator cria gestora que “terceiriza” investimentos em startups

A PortCapital e a consultoria EloGroup também participaram da criação da Ahead Ventures, uma gestora de corporate venture capital que vai captar recursos com grandes empresas para investir em startups

Valeri concorda: “A necessidade das empresas se somou à maior disponibilidade de empreendedores no mercado brasileiro. Foi a união da oferta com a demanda.”

O negócio, que nasce como uma sociedade entre PortCapital, Banco Fator e com suporte da consultoria de negócios EloGroup, com Valeri à frente da gestora após sua saída da Embraer – já tem um primeiro cliente, uma grande companhia de capital aberto, do setor imobiliário.

O fundo terá R$ 200 milhões à disposição para investir. As primeiras startups ainda não foram definidas. O que se sabe é que deve investir entre oito e 12 ativos e que 80% dos recursos serão destinados a plataformas digitais de imóveis. Uma menor parte será investida em tecnologias de construção.

No momento, a Ahead tem se debruçado sobre cerca de 40 companhias, após uma primeira peneira feita pela EloGroup, que analisou cerca de mil startups.

João Antônio Lopes Filho, CEO do Banco Fator, gestor da PortCapital e sócio da Ahead Ventures

A exemplo do que foi feito no fundo da Embraer, 15% do dinheiro será aplicado em startups em estágio inicial, com faturamento de zero a R$ 4 milhões por ano. Os outros 85% serão destinados a empresas mais maduras, com receita entre R$ 4 milhões e R$ 200 milhões. Em um fundo com 10 ativos, por exemplo, seriam três em estágio inicial e sete entre as mais avançadas.

Todo o “cartucho” do fundo não será usado na largada. O fundo terá quatro anos para aplicar os recursos e outros quatro anos para realizar os desinvestimentos. “Podemos ir colocando mais dinheiro em uma empresa ou outra, duas ou três vezes, naquelas que tiverem maior sucesso”, diz Lopes Filho.

Uma das regras da Ahead Ventures é que uma empresa não terá mais do que 20% da carteira. Portanto, o teto para aplicação em uma companhia será de R$ 40 milhões. E, nas empresas investidas, as participações deverão ser minoritárias, de 10% a 20%.

“Além de mitigar o risco, a participação minoritária tem o objetivo de não prejudicar o empreendedor, que tem de se manter independente e entusiasmado com o projeto”, diz Lopes Filho.

O ideal, eles dizem, é que as empresas cresçam de tal forma que em algum momento sejam adquiridas pela companhia que criou o fundo. Ou, então, que a participação do fundo seja comprada por um fundo internacional ou um fundo local maior.

“É como se nós fôssemos um time da segunda divisão que forma um Neymar e depois vende para o Barcelona”, compara o CEO do Banco Fator.

Sandro Valeri, sócio do EloGroup e da Ahead Ventures

O mercado de corporate venture capital tem sido cada vez mais uma alternativa para as grandes empresas no Brasil. Segundo levantamento da Distrito, foram US$ 622 milhões aplicados por fundos desse tipo no primeiro semestre deste ano, mais de três vezes o montante registrado em igual período do ano passado, que alcançou a marca de US$ 198 milhões.

Ainda é um número baixo, se comparado ao mercado de venture capital como um todo. No primeiro semestre deste ano, foram US$ 5,2 bilhões em aportes em startups brasileiras, também segundo a Distrito. O CVC, portanto, teria uma representatividade de 11%.

“É um mercado que deve continuar em aceleração, porque as empresas brasileiras perceberam que quem tem um CVC anda mais rápido”, afirma Gustavo Araújo, CEO da Distrito. “O CVC, para as empresas, é mais uma engrenagem de transformação estratégica do que um instrumento de retorno financeiro.”

De acordo com ele, os setores que mais estão se engajando em iniciativas do tipo no Brasil são os financeiro, de saúde, de varejo e imobiliário – como é o caso da primeira companhia com a qual a Ahead Ventures está trabalhando.

A Via, de varejo, e o Grupo Fleury, de saúde, são duas que contam com fundos de R$ 200 milhões, cada uma, este último em parceria com o Grupo Sabin.

Lá fora, o mercado é ainda mais antigo. Em 2020, nos Estados Unidos, os fundos de CVC representaram 26% das rodadas de aportes, segundo a Global Corporate Venturing. Nomes como Intel, Microsoft e Google estiveram entre as pioneiras no mercado americano.

A Ahead Ventures também não será a primeira gestora especializada no Brasil. Além da própria PortCapital, que atuou no fundo da Embraer, há outros nomes focados no segmento, como Valetec Capital, MSW Capital e Kinea Ventures, do Itaú Unibanco.

Empresas também criam seus próprios braços para investir em startups, como os casos de EDP, com a EDP Ventures, ou o BV, que, além de seu próprio fundo de CVC, aloca recursos em 11 fundos de venture capital.

A Embraer, onde Valeri e Lopes atuaram juntos pela primeira vez, investiu, por exemplo, R$ 2,8 milhões na Motora, startup do Espírito Santo que desenvolveu a tecnologia do Iara, o primeiro carro autônomo do Brasil.

“A Embraer chegou para eles e perguntou: você não quer desenhar o sistema de taxeamento autônomo dos meus aviões e desenvolver o sistema de voo autônomo do carro voador, do Eve, do EVTOL? E foi o que aconteceu”, conta Lopes Filho.

Para os sócios da Ahead Ventures, as startups que têm a oportunidade de trabalhar com uma empresa maior do mesmo setor saem na frente. “Uma empresa grande pode oferecer o conhecimento que tem, ser cliente da startup e abrir portas para ela no mercado”, afirma Lopes Filho.

Valeri acrescenta que também é um privilégio, para a startup investida, poder usar a estrutura da companhia investidora. “Uma startup do varejo, por exemplo, pode usar o centro de distribuição, o canal de internet e a loja física”.

Para a grande empresa, também há a vantagem de usar as startups investidas para testar novos mercados e novos produtos, para saber se aquilo pode ou não fazer parte da estratégia. “É um laboratório fantástico”, diz Lopes Filho.

Além da empresa do setor imobiliário, a Ahead Ventures já está em negociações com outra grande companhia de capital aberto no Brasil. Segundo os sócios, os próximos fundos devem seguir o mesmo modelo.

No futuro, a ideia é que os fundos da Ahead Ventures passem a ter montantes maiores, com algo entre R$ 500 milhões a R$ 1 bilhão para investir. “Mas, por enquanto, ainda não vemos espaço no mercado para isso”, diz Valeri.

FONTE: https://neofeed.com.br/blog/home/banco-fator-cria-gestora-que-terceiriza-investimentos-em-startups/