mar 04

Avião elétrico da Rolls-Royce será lançado em junho

A Rolls-Royce anunciou que, em junho, deve lançar o avião 100% elétrico mais rápido do mundo. O modelo pode ser recarregado com energia solar ou com uma turbina de energia eólica. Todas as baterias, motores e geradores do avião funcionam de forma sustentável.

Em comparação com os modelos convencionais, a média da velocidade da aeronave é 20% menor. Dessa maneira, o trajeto de um voo de duas horas, por exemplo, seria completado em, aproximadamente, 24 minutos a mais. Mas a sua sustentabilidade compensa o maior tempo de voo, por meio do seu carregamento à base de energia solar ou uma turbina de energia eólica.

Segundo Rolls-Royce, o avião conseguirá atingir a velocidade de 480 km/h, menor, do que se comparada, por exemplo, a um avião comercial em voo de cruzeiro que atinge uma velocidade de aproximadamente 850 km/h.

Curiosamente, as viagens pelo ar poluem dez vezes mais que as feitas em trens, ônibus e carros. Os aviões correspondem a 2% da emissão mundial de carbono. De acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) até 2037 o número de passageiros aéreos ultrapassará os oito milhões.

Dados da Agência Europeia de Meio Ambiente (AEA) apontam que, a cada voo realizado, uma aeronave emite 258 gramas de CO2 (dióxido de carbono) por passageiro.

“Ainda assim é difícil estabelecer uma mudança total dos modelos de combustão para os elétricos, ainda mais quando se trata de distâncias mais longas. O consumo a partir de agora, no entanto, precisa e deve ser mais consciente”, afirma o diretor-executivo da Rolls-Royce, Rob Watson. Ele acrescenta que construir o avião elétrico mais rápido do mundo é uma reformulação drástica no mundo da aviação. “Nosso objetivo não é bater nenhum recorde mundial, mas estar na vanguarda das transformações tecnológicas e, ao mesmo tempo, sermos ambientalmente conscientes”, acrescenta.

Com capacidade para apenas um passageiro, o modelo possui um novo sistema de propulsão com três motores elétricos auxiliares de alta intensidade. Eles funcionam com um pacote de baterias de 750 kW, que segundo a Rolls-Royce, dura, aproximadamente, três horas e meia cada um.

Saiba mais: sistema fotovoltaico

Já o sistema de refrigeração da aeronave é direto, para proteger as células das altas temperaturas, e hélices menores para reduzir os ruídos. Sua eficiência enérgica é de 90%. Além disso, todos os componentes do modelo são projetados dentro de um novo conceito que pretende não só percorrer a distância máxima em um curto espaço de tempo, mas modificar a capacidade elétrica do motor sem fazer com que ele produza resíduos tóxicos e prejudique o meio ambiente.

Outro diferencial do modelo convencional é a parte externa do avião. As são bem mais largas para impulsionar a subida da aeronave e a manter voando com uma propulsão menos elevada. Sem contar que elas ficam localizada na traseira, para compensar o peso dos motores e baterias.

Essa nova proposta faz parte do projeto conhecido como ACCEL (Accelerating the Electrification of Flight ou Acelerando a eletrificação do voo, em tradução livre). O time é composto pela a Rolls-Royce, a fabricante de motores e controladores elétricos Yasa e a empresa de aviação Electroflight. O recurso para colocar o plano em ação é proveniente do Instituto de Tecnologia Aeroespacial (ATI) e do Departamento de Estratégia Empresarial, Energética e Industrial do Reino Unido.

FONTE: PORTAL SOLAR