jan 17

Até 2040, turista não vai precisar de mala ou passaporte para viajar

A forma de viajar como conhecemos hoje mudará drasticamente nos próximos 20 anos

A forma de viajar como conhecemos hoje mudará drasticamente nos próximos 20 anos. Num futuro bem próximo não precisaremos mais de malas ou passaporte.

As roupas poderão ser impressas em 3D e o reconhecimento facial transformará nossos rotos em passaportes e cartões de embarque.

As viagens também estarão mais ligadas à aventura, à realização e ao aprendizado de novas habilidades, em vez de apenas preencher uma lista de lugares visitados.

Crédito: Yelizaveta Tomashevska/iStockEstudo mostra que viagens virtuais serão realidade e que os sistemas de reconhecimento faciais controlarão passaportes e cartões de embarque

As previsões acima fazem parte do estudo “The Future Travel Experience“, feito pelo renomado futurólogo Ray Hammond para empresa de seguros Allianz Partners.

O relatório divulgado nesta quinta-feira,16, identifica as principais tendências que revolucionarão o mercado de viagens até 2040.

Segundo Hammond, as experiências de viagens virtuais, como visita à distância a quartos de hotel e museus serão comuns.

Confira abaixo algumas previsões feitas por Ray Hammond:

Realidade virtual e aumentada

A tecnologia multissensorial de realidade virtual aumentada permitirá que os turistas entrem em quartos de hotéis virtualmente, visitem Carnavais de rua, explorem museus ou entrem em restaurantes a partir do conforto de sua própria casa. Com essa novidade, é esperado que o turista seja estimulado a conhecer novos lugares.

Check-in instantâneo

Os sistemas de reconhecimento de padrões faciais já estão em uso experimental em alguns aeroportos e, dentro de 20 anos, os sistemas de computador, que podem identificar com segurança seu rosto, estarão em uso generalizado para fazer o check-in sem problemas.

Assistentes de software para hotéis

Enquanto em alguns hotéis de luxo os hóspedes serão recebidos por um humano, muitos hotéis econômicos e de negócios usarão check-in e orientações automáticas para os quartos fornecidos por assistentes de software. Alguns hotéis fornecerão até portadores de bagagem robóticos para transportar as malas.

Trens super rápidos

As viagens de trem “cross-border” serão mais agradáveis e melhoradas em muitas partes do mundo. As redes de computadores e a “Internet das Coisas” (IoT) gerenciarão redes ferroviárias nacionais e internacionais, permitindo que os trens circulem mais rápido e ainda mais conectados. A velocidade também aumentará, com grande parte da frota operando acima dos 201 km/h (125 mph).

Impressão de roupas 3D no local

Em 2040, será possível enviar suas medidas corporais para o hotel e roupas volumosas, como por exemplo, capas de chuva ou sapatos, serão impressas antes da sua chegada, reduzindo a quantidade de bagagem. O baixo custo das roupas impressas em 3D significa que os viajantes poderão deixar as roupas para reciclagem no local.

 Crédito: Bim/iStockAs viagens de trem serão mais rápidas, prevê estudo

Cruzeiros sustentáveis

Os cruzeiros serão muito mais ecológicos do que os gigantes transatlânticos de hoje. Os navios serão movidos a Gás Natural Liquefeito, um combustível fóssil leve e com baixa emissão de gases de efeito estufa, transformando as férias nos cruzeiros em uma das maneiras mais ecológicas de viajar pelo mundo. A variedade de destinos também continuará a crescer, expandindo especialmente para Ásia.

O espaço será um destino comum

Para alguns viajantes, em 2040, os destinos do planeta terra poderão não ser mais suficientes. A essa altura, é provável que os turistas estejam voando regularmente para Lua enquanto procuram a experiência de ver a Terra do espaço.

FONTE: CATRACA LIVRE