Árvores geneticamente modificadas para capturar mais carbono são plantadas nos EUA pela 1ª vez

Ambientalistas criticam projeto, cujos estudos não foram revisados por pares.

Na última segunda-feira (20), em um terreno baixo no cinturão de pinheiros no sul da Geórgia, meia dúzia de trabalhadores plantou fileiras e mais fileiras de choupos parecendo apenas galhos.

Não eram quaisquer árvores, porém: algumas das mudas colocadas no solo encharcado foram geneticamente modificadas para produzir madeira em taxas turbinadas enquanto sugam o dióxido de carbono do ar.

Os choupos podem ser as primeiras árvores geneticamente modificadas plantadas nos Estados Unidos fora de um ensaio de pesquisa ou de um viveiro comercial. Assim como a introdução do tomate Flavr Savr em 1994 lançou uma nova indústria de culturas alimentares geneticamente modificadas, os plantadores de árvores esperam transformar a silvicultura.

A Living Carbon, empresa de biotecnologia sediada em San Francisco que produziu as mudas, pretende que seus choupos sejam uma solução em larga escala para a mudança climática.

Mulher loira, de tranças no cabelo e usando um gorro de lã, está agachada medindo planta Mulher loira, de tranças no cabelo e usando um gorro de lã, está agachada medindo planta

Chellyne Stotts, da empresa Living Carbon, mede uma muda em Vidalia, na Geórgia (EUA) – Audra Melton/The New York Times

“Algumas pessoas nos disseram que é impossível”, disse Maddie Hall, cofundadora e CEO da empresa, sobre seu sonho de utilizar engenharia genética para melhorar o clima. Mas ela e seus colegas também encontraram crentes suficientes para investir US$ 36 milhões na empresa de quatro anos.

A companhia também atraiu críticos. O grupo ambientalista Global Justice Ecology Project chamou as árvores da empresa de “ameaças crescentes” às florestas e expressou preocupação pelo fato de o governo federal permitir que a empresa burle a regulamentação, abrindo as portas para plantações comerciais muito mais cedo do que o normal para plantas modificadas.

A Living Carbon ainda não publicou artigos revisados por pares; seus únicos resultados divulgados vêm de um teste em estufa que durou apenas alguns meses. Esses dados deixaram alguns especialistas intrigados, mas pararam antes de um endosso total.

“Eles têm alguns resultados encorajadores”, disse Donald Ort, geneticista da Universidade de Illinois cujos experimentos com plantas ajudaram a inspirar a tecnologia da Living Carbon. Mas ele acrescentou que a ideia de que os resultados em estufa se traduzirão em sucesso no mundo real não é garantida.

Troncos de árvores em solo alagado Troncos de árvores em solo alagado

Árvores em área alagada em Vidalia, na Geórgia (EUA) – Audra Melton/The New York Times

Os choupos da Living Carbon começam suas vidas em um laboratório em Hayward, na Califórnia. Lá, biólogos estudam como as árvores realizam a fotossíntese, a série de reações químicas que as plantas usam para transformar a luz do sol, a água e o dióxido de carbono em açúcares e amidos.

Ao fazer isso, elas seguem um precedente definido pela evolução: várias vezes ao longo da história da Terra, aperfeiçoamentos na fotossíntese permitiram que as plantas ingerissem dióxido de carbono suficiente para resfriar substancialmente o planeta.

Embora a fotossíntese tenha impactos profundos na Terra, como processo químico ela está longe de ser perfeita. Numerosas ineficácias impedem que as plantas captem e armazenem mais que uma pequena fração da energia solar que cai sobre suas folhas. Essas ineficiências, entre outros fatores, limitam a rapidez com que árvores e outras plantas crescem e a quantidade de dióxido de carbono que absorvem.

Cientistas passaram décadas tentando continuar de onde a evolução parou. Em 2019, Ort e seus colegas anunciaram que haviam modificado geneticamente plantas de tabaco para fotossintetizar com mais eficiência. Normalmente, a fotossíntese gera um subproduto tóxico que a planta precisa descartar, desperdiçando energia. Os pesquisadores de Illinois adicionaram genes de abóboras e algas verdes para induzir as mudas de tabaco a reciclar as toxinas em mais açúcares, produzindo plantas que cresceram quase 40% a mais.

Naquele mesmo ano, Hall, que trabalhava para empreendimentos do Vale do Silício como a OpenAI (responsável pelo modelo de linguagem ChatGPT), conheceu seu futuro cofundador, Patrick Mellor, numa conferência de tecnologia climática. Mellor estava pesquisando se as árvores poderiam ser modificadas para produzir madeira resistente ao apodrecimento.

Retrato de homem branco com cabelos na altura do ombro, usando roupas esportivas e piercing no nariz em uma paisagem ao ar livre Retrato de homem branco com cabelos na altura do ombro, usando roupas esportivas e piercing no nariz em uma paisagem ao ar livre

Patrick Mellor, cofundador da empresa Living Carbon, que cria árvores geneticamente modificadas para absorver mais carbono – Audra Melton/The New York Times

Com o dinheiro arrecadado de empresas de capital de risco e contatos de Hall no mundo da tecnologia, incluindo o CEO da OpenAI, Sam Altman, ela e Mellor fundaram a Living Carbon, na tentativa de aperfeiçoar árvores para combater as mudanças climáticas.

“Poucas empresas estavam avaliando a remoção de carbono em larga escala de uma forma que combinasse ciência de ponta e implantação comercial em larga escala”, disse Hall.

Em um campo acostumado ao progresso lento e à regulamentação pesada, a Living Carbon moveu-se com rapidez e liberdade. Os choupos modificados com armas genéticas evitaram uma série de regulamentações federais sobre organismos geneticamente modificados que podem paralisar projetos de biotecnologia durante anos. (Desde então, esses regulamentos foram revisados.)

Em comparação, uma equipe de cientistas que projetou geneticamente uma castanheira resistente à ferrugem usando o mesmo método de bactéria empregado antes pela Living Carbon aguarda uma decisão desde 2020. Uma maçã modificada cultivada em pequena escala no estado de Washington levou vários anos para ser aprovada.

“Você poderia dizer que a antiga regra era meio furada”, disse Bill Doley, consultor que ajudou a gerenciar o processo de regulamentação de organismos geneticamente modificados no Departamento de Agricultura até 2022.

Na segunda-feira, nas terras de Vince Stanley, um agricultor de sétima geração que administra mais de 10 mil hectares de floresta no “cinturão de pinheiros” da Geórgia, trabalhadores carregando picaretas e mochilas com mudas plantaram quase 5.000 choupos modificados.

Os choupos modificados tinham nomes como Kookaburra e Babuíno, indicando de qual árvore “mãe” eles foram clonados, e foram intercalados com um número aproximadamente igual de árvores não modificadas. No final do dia excepcionalmente quente, os trabalhadores estavam encharcados de suor e os canteiros, pontilhados com mudas finas como lápis e bandeiras coloridas saindo da lama.

Em contraste com os pinheiros de crescimento rápido, as madeiras duras que crescem em terras baixas como essas produzem madeira tão lentamente que um fazendeiro pode obter apenas uma colheita na vida, disse Stanley. Ele espera que as “mudas de elite” da Living Carbon lhe permitam cultivar árvores de terras baixas e ganhar dinheiro mais rapidamente.

“Estamos pegando uma rotação florestal de 50 a 60 anos e reduzindo pela metade”, disse ele. “É realmente uma vitória para todos.”

Os geneticistas florestais foram menos otimistas sobre as árvores da Living Carbon. Os pesquisadores normalmente avaliam as árvores em testes de campo confinados antes de passarem para plantações em larga escala, disse Andrew Newhouse, que dirige o projeto de castanha modificada na Faculdade de Ciência Ambiental e Engenharia Florestal da Universidade Estadual de Nova York (SUNY).

“Suas afirmações parecem ousadas com base em dados muito limitados do mundo real”, disse ele.

Steve Strauss, geneticista da Universidade Estadual do Oregon, concorda com a necessidade de ver dados de campo. “Minha experiência de muitos anos é que o viveiro não significa quase nada” sobre as perspectivas ao ar livre de árvores cuja fisiologia foi modificada, disse ele. “Os investidores talvez não saibam disso.”

O Serviço Florestal dos EUA, que planta um grande número de árvores todos os anos, disse pouco sobre se usaria árvores modificadas. Para serem consideradas para plantio em florestas nacionais, que representam quase um quinto das florestas dos EUA, as árvores da Living Carbon precisariam se alinhar com os planos de manejo existentes, que normalmente priorizam a saúde e a diversidade das florestas, em vez da redução do carbono atmosférico, disse Dana Nelson, uma geneticista do serviço.

“Acho difícil imaginar que se encaixaria bem numa floresta nacional”, disse Nelson.

A Living Carbon está se concentrando por enquanto em terras privadas, onde enfrentará menos obstáculos. No final desta primavera, vai plantar choupos em minas de carvão abandonadas na Pensilvânia. No ano que vem, Hall e Mellor esperam plantar milhões de árvores no solo.

FONTE: https://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2023/02/arvores-geneticamente-modificadas-para-capturar-mais-carbono-sao-plantadas-nos-eua-pela-1a-vez.shtml


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0