set 24

App de edição de imagens é acusado de racismo por função ‘Blackface’

Recurso do app Gradient permite que inteligência artificial mostre como você ficaria se tivesse nascido ‘em outro continente’, e grupos acusam empresa de promover preconceito

Um aplicativo de edição de imagens chamado “Gradient” gerou controvérsia ao habilitar um recurso de inteligência artificial (IA) que permite ao usuário saber como seriam suas feições caso ele fosse “nascido em outro continente”. Por causa disso, pessoas brancas estão alterando suas etnias para feições negras, asiáticas e outras. Grupos de internautas acusam a empresa homônima de promover o racismo por meio da função “blackface digital”.
Blackface” é um tipo de ataque racista que surgiu na era da internet, no qual pessoas de pele branca pintam seus rostos de preto, geralmente em contextos que satirizam o povo afro-descendente. Ao longo dos anos, a prática tornou-se um tabu e é amplamente discutida em grupos anti-racismo.

Captura divulgada pelo site do app de edição de imagens: Gradient conta com recursos que prometem analisar sua ancestralidade e mudar sua etnia. Imagem: Divulgação/Gradient

A função do app, chamada apenas de “AI Face”, foi originalmente mostrada pelas celebridades Scott Disick e Brody Jenner – ambos figuras famosas do reality show “Keeping Up With The Kardashians”, que retratava o dia a dia da família da socialite Kim Kardashian West. Ambos postaram, em suas contas oficiais no Twitter, como seriam seus rostos em “formato negro, europeu ou asiático”. Disick reproduziu algumas das imagens no Instagram, mas desabilitou os comentários da postagem. Dada a controvérsia gerada, ambos eventualmente apagaram as postagens, mas não comentaram o caso.
O site oficial do aplicativo lista uma série de outras funções que transforma ou analisa os rostos de seus usuários: enquanto uma afirma analisar sua ancestralidade com base em suas feições e características físicas, outra indica com qual celebridade ou animal você mais se parece. Outras funções mais simples incluem posicionar sua foto em formato de autorretrato e ferramentas costumeiras de edição de brilho, filtros, cor e similares.
Não é a primeira vez que o Gradient aparece em meio a uma controvérsia online: em outubro de 2019, uma reportagem do site Mashable levantou questionamentos preocupantes sobre a política de privacidade do aplicativo, relacionadas a como o app faz uso das fotos dos usuários e tentativas repetidas de inserir transações e assinaturas sem o consentimento expresso dos internautas.
No que tange à função comprometedora, a CNN informa que ela existe desde o ano passado, mencionando comentários de outros membros da família Kardashian – incluindo a própria Kim, o que leva a crer que o app e a família de socialites tenham alguma parceria comercial. As postagens mais recentes, de Disick e Jenner, porém, não traziam qualquer indicativo ou hashtag do tipo.
FONTE: https://olhardigital.com.br/noticia/app-de-edicao-de-imagens-e-acusado-de-racismo-por-funcao-blackface/107606