Agências espaciais: o que são e para que servem

Por meio das agências espaciais, mandamos astronautas para o espaço, lançamos satélites e realizamos diversos tipos de pesquisa científica.

Enviar astronautas ao espaço, lançar satélites para a órbita da Terra e tocar pesquisas científicas. Em suma, é para isso que servem as agências espaciais. Para isso, as instituições coordenam os programas espaciais dos seus respectivos países.

Essas atividades, quando realizadas com sucesso, garantem autonomia para os países. E eles também ficam bem na praça internacional. Mas ter agências espaciais e programas decentes custa caro – na casa dos bilhões de dólares mesmo.

Agências espaciais no mundo

Estação Espacial Internacional no espaço com a Lua ao fundo
Estação Espacial Internacional é um laboratório onde astronautas de agências espaciais trabalham (Imagem: ESA)

Existem 72 agências espaciais no mundo. Entre elas, estão alguns nomes familiares, por exemplo: Nasa (agência dos EUA), ESA (da Europa) e Roscosmos (da Rússia). Mas, veja você, o Brasil também tem uma agência espacial: a AEB.

Dessas dezenas de agências, apenas seis têm tecnologia e recursos suficientes para realizar as etapas de um lançamento sem precisar de ajuda. São elas: Nasa, ESA, Roscosmos, CNSA (da China), Isro (da Índia) e Jaxa (do Japão).

A ESA, diferente das outras citadas até o momento, abriga 22 países europeus debaixo da sua asa. Entre eles, estão: Alemanha, Espanha, França, Itália e Portugal.

Os astronautas dessas agências espaciais contam, desde 2010, com um laboratório enorme, na órbita da Terra: a EEI (Estação Espacial Internacional). Lá, os astronautas participam de missões em que realizam pesquisas e monitoram nosso planetinha azul.

Corrida espacial

Sonda da Apollo 11 prestes a pousar na Lua
Sonda da Apollo 11 prestes a pousar na Lua (Imagem: Nasa)

Um exemplo clássico de exibicionismo de agências espaciais foi a corrida espacial entre EUA e URSS (União Soviética). No auge da Guerra Fria, entre 1958 e 1976, os países usaram a Lua para mostrarem quão avançados eram seus recursos.

As agências estadunidense e soviética mandaram 79 missões para o satélite natural da Terra – quatro por ano, em média. Graças a essas expedições, os terráqueos aprenderam muito sobre a Lua e viram seu planeta de fora pela primeira vez.

Foi uma corrida acirrada. Os russos lideraram até o final da década de 1960. Eles lançaram a primeira espaçonave a chegar à Lua, a primeira a orbitá-la e a primeira a mandar imagens do lado oculto do satélite natural.

Quando a URSS se preparava para mandar cosmonautas para a Lua, os EUA lançaram a Apollo 8, em dezembro de 1968. Esta foi a primeira missão a levar astronautas à órbita lunar e trazê-los de volta. Depois, a Apollo 11 fez história. Em julho de 1969, os astronautas estadunidenses Neil Armstrong e Edwin “Buzz” Aldrin se tornaram os primeiros terráqueos a pisarem na Lua.

Ok, mas e daí?

Sonda da Apollo pousada na Lua
Graças aos materiais coletados pelas expedições do Apollo, sabemos o tanto que sabemos sobre os planetas (Imagem: Nasa)

O programa espacial Apollo, da Nasa, proporcionou uma revolução na ciência do Sistema Solar. Grande parte do que se sabe atualmente sobre planetas, o meio interplanetário e o Sol veio do programa.

Num escopo geral, os estudos sobre o espaço, planetas e galáxias, realizados por meio das agências espaciais, importam porque suscitam inovações tecnológicas. Inovações essas que impactam nosso cotidiano – por exemplo: a criação de materiais que, depois, serviram para a fabricação de câmeras e celulares.

FONTE: https://olhardigital.com.br/2023/02/15/ciencia-e-espaco/agencias-espaciais-o-que-sao-e-para-que-servem/


Deprecated: Directive 'track_errors' is deprecated in Unknown on line 0