jan 15

Agência estatal chinesa Xinhua investe pesado em inteligência artificial

Até 2030, deseja ser referência mundial

Parcerias governo-empresas traz dúvidas

Na esteira dos bilhões de yuans investidos em tecnologia artificial chinesa, a agência de notícias estatal Xinhua anunciou que está reformando sua redação para enfatizar a colaboração entre homem e máquina.

O presidente da Xinhua News AgencyCai Mingzhao, disse que a Xinhua vai construir “um novo tipo de redação, baseada na tecnologia da informação e destacando com a colaboração homem/automatização“. A agência também introduziu a plataforma “Media Brain” para integrar o computação na nuvem, Internet das Coisas, inteligência artificial e ainda mais na produção de notícias, com potencial de “encontrar informações, recolher notícias, editar, distribuir e, por último, analisar feedbacks“.
ASSISTA O VÍDEO AQUI:

O anúncio da empresa foi esparso em detalhes, mas é o mais recente componente divulgado de um mergulho da China na inteligência artificial. No início de janeiro, o país anunciou um plano de US$ 2,1 bilhões para um parque de desenvolvimento de inteligência artificial, a ser construído nos próximos 5 anos como parte de seu movimento para se tornar referência mundial do uso de inteligência artificial em 2030. A Google também se comprometeu a estabelecer raízes no cenário da inteligência artificial chinesa ao abrir um centro de pesquisa em Beijing. A Bloomberg entrevistou o líder Fei-Fei Li, responsável do local: “Será uma equipe pequena, responsável por avançar o básico da inteligência artificial nas publicações, em conferências acadêmicas e em intercâmbios de conhecimento”. A Microsoft também anunciou planos para criar seu próprio laboratório de pesquisa e desenvolvimento em inteligência artificial em Taiwan e contratará cerca de 200 funcionários ao longo dos próximos 5 anos. Isso com um investimento de aproximadamente U$ 34 milhões.

Nós vimos um grande interesse em inteligência artificial na China, e o setor está avançando muito rápido no país”, disse Chris Nicholson, ex-editor de notícias da Bloomberg e co-fundador da startup de inteligência articial Skymind, em entrevista ao Digiday. “Beijing apoia a inteligência artificial, enquanto os sites Baidu, Alibaba e Tecent estão todos apostando na proposta. Os Estados Unidos continuam a ser os melhores em inteligência artificial, mas também existem ótimos engenheiros e pesquisadores do ramo na China“.

Além da corrida global pela tecnologia, as repercussões do investimento da China em inteligência artificial na mídia poderiam ecoar no jornalismo em todo o mundo. Um relatório divulgado no Projeto de Notícias Digitais, do Reuters Institute sobre as tendências da mídia para 2018, destaca alguns dos avanços que o jornalismo chinês já conquistou:

O editor-executivo do Quartz, Zach Seward, fez um discurso durante uma conferência na China organizada pela gigante tecnológica Tecent. A fala foi transformada em uma notícia por uma combinação de inteligência artificial baseada na linguagem, um software de texto, transcrição automática e também por um programa automatizado de redação de notícias, chamado Dreamwriter. Cerca de 2.500 notícias sobre finanças, tecnologia e esportes são criadas pelo Dreamwriter todos os dias“.

Com a tecnologia tendo saturado os mercados ocidentais, grande parte das oportunidades de crescimento está se deslocando para outros países, como a China e a Índia. No entanto, gigantes do Vale do Silício, como o Google e o Facebook, enfrentam restrições, em particular, na China, o que deixa as empresas asiáticas de tecnologia com espaço para apresentar novas ideias em ritmo implacável. Sem um legado em informática para se preocupar, esta é uma parte do mundo capacitada para abraçar plenamente as tecnologias “mobile first”. Cada vez mais, estaremos prestando atenção no Oriente para inovações tecnológicas em 2018.

Frederic Filloux, autor da Monday Note, tem prestado atenção no Toutiao, um aplicativo que utiliza a inteligência artificial para agregar conteúdo de cerca de 4.000 provedores de notícias tradicionais, bem como blogueiros e outros produtores conteúdos pessoais. O Toutiao tem aproximadamente 120 milhões de usuários diários ativos e um tempo de engajamento de 74 minutos diários. Osfeeds de notícia são constantemente atualizados com base no que suas máquinas aprenderam sobre as preferências de leitura, no tempo gasto nos artigos e na localização. Toutiao afirma ser capaz de compreender um novo usuário em um período de 24 horas. Na Coreia do Sul, o aplicativo Naver também busca adicionar recomendações por inteligência artificial aos seus serviços móveis. O Line é outro agregador móvel de notícias popular na Coreia, em Taiwan e também no Japão. Agregadores de notícias, como Flipboard e Laserlike48, fizeram poucos progressos nos EUA e na Europa. Mas isso pode mudar na medida em que o Toutiao, apoiando-se em seu valor estimado em US$ 22 bilhões, avalia avançar mais agressivamente em direção aos países ocidentais em 2018“.

FONTE: PODER 360