set 26

ABFintechs e IT2S Group lançam Selo de Segurança para fintechs

O IT2S Group e a Associação Brasileira de Fintechs (ABFintechs) acabam de lançar o Selo de Segurança, instrumento voltado a trazer mais transparência sobre as ações de proteção de dados para startups do setor.

Conforme Mathias Fischer, diretor de Regulação da Associação, o novo selo é muito importante para reduzir o atrito de conversão e mostrar para a população que as fintechs são empresas sérias, que estão preocupadas não só com a segurança dos dados, mas também com toda a parte regulatória e legal do mercado financeiro.

“O selo vem em linha com uma necessidade de mercado, de uma série de clientes que procuram o setor com uma demanda externa de empresas maiores, como bancos e investidores, que cobram esta adequação”

O selo, que faz parte do objetivo das duas organizações de fomentar as boas práticas de segurança da informação e proteção de dados pessoais (LGPD), possui três níveis: no inicial, a startup se compromete a atender a todas as indicações do guia Fintech Segura, que contém todas as diretrizes de cibersegurança a serem seguidas e a lista das empresas já comprometidas com a questão. O material pode ser acessado em: fintechsegura.com.br

No segundo nível do selo, que será lançado em breve, a ideia é ter profissionais de segurança capacitados para realizar uma auditoria em cada fintech para identificar se a mesma realiza, de fato, todos os controles recomendados. Além disso, as diretrizes do guia devem ser expandidas para avaliar empresas com negócios e processos mais maduros.

O terceiro nível é voltado para startups que já possuem certificação no mercado e, desta forma, podem atestar o cumprimento de boas práticas de segurança.
“Decidimos aproveitar a experiência do IT2S Group e fazer este lançamento de forma mais formal e estruturada, aplicando a bagagem e expertise que a empresa tem neste tema para auxiliar na criação do selo”, explica Fischer.

O diretor Executivo do IT2S Group, Leonardo Goldim, comenta que a ideia do selo surgiu há um ano, com base em uma experiência similar que teve na Cloud Security Alliance (CSA), organização da qual é membro e que utiliza este mesmo formato de certificação.

“Foi então que a parceria com a ABFintehcs começou a ser formatada. Na primeira versão do manual, a ideia é que os controles e requisitos de segurança possam ser aplicados a todas as startups, independente do nível de maturidade do negócio. Hoje, grande parte dos problemas de segurança ocorrem por falha no desenvolvimento, atividade fundamental em startups”, esclarece Goldim. “O selo vem em linha com uma necessidade de mercado, de uma série de clientes que procuram o setor com uma demanda externa de empresas maiores, como bancos e investidores, que cobram esta adequação”, completa.

O lançamento acompanha a ebulição do mercado de startups. Conforme a Associação Brasileira de Startups, apenas este ano mais de 150 aportes de venture capital já foram feitos neste tipo de empresa, sendo que o setor de fintechs ganha destaque neste cenário: estudo da ABFintehcs e PwC Brasil (PricewaterhouseCoopers) mostra que, de 2011 para 2018, o número de empreendimentos desta área criados no Brasil subiu de 28 para 219.

FONTE: !NFOR CHANNEL